Prefeitura retira profissionais da educação do plano de vacinação

QUEM CORRE MAIS RISCO DEVERIA TER PRIORIDADE

É lamentável a decisão recente da Prefeitura de retirar do calendário de vacinação os grupos prioritários estabelecidos pelo Plano Nacional de Imunização (PNI). A definição desses grupos deve se dar em função de avaliações epidemiológicas a partir da natureza das atividades profissionais. Quem tem mais riscos tem prioridade! E este é o caso dos profissionais de educação que – com o retorno precoce das aulas presenciais determinado pela Prefeitura – trabalham em salas sem ventilação e por longo período.

Não há vacinas em quantidade suficiente para a imunização da população por conta da política genocida do governo Bolsonaro. A CPI da COVID, em curso, comprova o que vinha sendo noticiado – a vacinação já poderia ter sido iniciada desde dezembro do ano passado. A angústia a cada calendário anunciado é transferida de grupo a grupo.

Nesse cenário excluir da vacinação prioritária profissionais de educação, dentre outros, submetidos a maiores riscos é absurda!